Resenha | Cherry: Inocência Perdida


Resumo da editora - Cherry: Inocência Perdida, romance de estreia de Nico Walker, expõe com crueza a violência da guerra, o ambiente nocivo da obsessão bélica dos EUA, a dependência das drogas e os rumos perigosos e autodestrutivos de um protagonista vívido como a realidade.


A força narrativa de Nico Walker levou a história para os cinemas. O filme dos irmãos Russo, estrelado por Tom Holland já está disponível na Apple TV+ e você poder ler nossa do crítica aqui


 


Nico Walker está cumprindo sua pena na prisão por assalto a banco; seu romance Cherry: Inocência Perdida é baseado em sua autobiografia ficcional, na qual um narrador anônimo relata desapaixonadamente o abandono da faculdade, alistando-se no exército, embarcando para o Iraque, servindo como médico do exército, voltando para casa e desenvolvendo PTSD, bem como um vício em drogas.


Ao ler me senti profundamente desconfortável em muitos momentos, as cenas de guerra e as representações de uso de drogas são explícitas, a linguagem é implacavelmente forte, a misoginia penetrante do narrador permanece incontestada. 


Cherry: Inocência Perdida não é um livro sobre redenção ou remorso ou lições aprendidas ou novos começos; trata-se de abuso, relacionamentos mutuamente destrutivos e potenciais desperdiçados. O narrador atinge o fundo do poço tantas vezes que 'fundo do poço' perde todo o significado, e como ele não é guiado por nenhum tipo de bússola moral, você nem tem certeza se deveria estar torcendo por ele.


 


Provavelmente, o que há de mais notável neste livro, é sua voz narrativa única - Walker mistura seu staccato descontente com uma urgência que o mantém virando as páginas, devorando o horror, o humor e os momentos inesperados de ternura. Este é o tipo de livro pelo qual você se sente um pouco culpado por amar, mas ao mesmo tempo não pode negar que há algo especial nele.

Comentários

Postagem Anterior Próxima Postagem